Viaje connosco pelas Aldeias Históricas de Portugal, um tesouro escondido no Portugal profundo, todas as segundas-feiras, a partir das 18 horas.

www.aldeiadaminhavida.blogspot.com
25
Mai 09
Não podemos deixar a vila de Almeida, sem falarmos da Lenda da princesa Isabel, com já tinha prometido.

“A história da princesa Isabel baseia-se em factos históricos:
Isabel foi a única filha bastarda do rei D. Fernando e não se sabe quem era a mãe. No ano 1372 o rei Henrique de Castela invadiu Portugal com um exército que entrou por Almeida e se dirigiu para sul a fim de cercar Lisboa. Pelo caminho efectuaram pilhagens , houve combates, muitos mortos e feridos. Os portugueses resistiram como puderam mas ficaram muito abalados, e por isso tiveram que fazer cedências na altura de assinar a paz. Uma das cedências foi entregar algumas terras junto da fronteira ao rei de Castela. Do lote fez parte Almeida, que só foi entregue por três anos.
imagem retirada da internet

Na ideia de reforçar os laços de amizade e evitar novas guerras, combinaram-se casamentos de princesas portuguesas com príncipes castelhanos. Isabel, apesar da sua pouca idade (8 anos), seguiu com os exércitos inimigos para se casar com Afonso, também ele filho bastardo do rei de Castela. Acontece que Afonso, que já tinha 18 anos, reagiu mal à ideia (…)

imagem retirada da internet


No entanto, ao contrário de outras pequenas princesas que foram viver para o estrangeiro e tanto sofreram em terras estranhas sem o amor de ninguém, Isabel teve sorte. A rainha de Castela Joana Manuel) era irmã da sua avó paterna ( Constança Manuel) e, portanto, não só a recebeu de braços abertos como a protegeu toda a vida.”


Com essa aliada Isabel aprendeu a língua local e adaptou-se bem à vida da corte castelhana, sem sentir pela falta do príncipe, que andava ao serviço do rei de França.
Com os anos tornou-se uma mulher formosa, alegre e simpática e ninguém compreendia a sua rejeição por parte do príncipe.


“Numa tarde chuvosa do mês de Fevereiro , estando a corte reunida no palácio de Valladolid(…) apareceu Isabel muito bem ataviada em sedas e veludos. Também se penteara com esmero e trazia ao pescoço, nas mãos e nas orelhas as jóias lindíssimas que lhe oferecera a rainha. (…)




imagem retirada da internet
O próprio rei ficou estupefacto ao ouvi-la declarar alto e bom som que chegara à idade de casar.
- Sei que não agrado a D. Afonso e quero que saibam que ele também não me agrada a mim, mas isso não interessa.
A assistência emudecera de pasmo perante aquela rapariguinha altiva e firme, exigindo de cabeça erguida aquilo a que tinha direito:
- Sou filha do rei de Portugal, e se está previsto que me torne nora do rei de Castela, não vejo motivo para esperar mais!
Uma argumentação simples, clara e directa nunca é fácil de rebater. O silêncio prolongou-se com grande incómodo para o rei, que sentiu a autoridade posta em causa diante mil pares de olhos que o trespassavam como quem pergunta: « Então? O príncipe casa ou não casa? »



Imagem retirada da internet

D. Henrique saiu de rompante e mandou escrever em letras gordas uma mensagem ao filho. Ordenava-lhe que viesse imediatamente para subir ao altar e receber Isabel por esposa. Caso não comparecesse, seria deserdado e no testamento encontraria apenas a maldição paterna.
Apesar da ameaça, só nove meses depois se pôde realizar a cerimónia. Uma linda cerimónia na catedral de Burgos, com a presença do arcebispo de Santiago.(…) Quando chegou a vez de Afonso dizer o sim, ficou calado até que o rei se aproximou de cenho franzido e ele não teve outro remédio senão murmurar a palavra-chave, mas fê-lo num repente carrancudo e maldisposto: -Sim.
Foto: OLHO DE TURISTA, LDA

À noite foram para o quarto como esposos(…) Mas ele não a abordou.(…) Virou as costas sem uma explicação.
Pobre Isabel! Muito sofreu por ser rejeitada. Preferiu no entanto não contar a ninguém e aguentar firme.(…) Muitas foram as tentativas falhadas! Nem enfeites, nem perfumes, nem trejeitos, nem lágrimas, nem suspiros(…) tiveram qualquer efeito. O marido continuava indiferente.(…)

Por último Isabel recorreu a uma feiticeira sevilhana que toda a gente da corte consultava em segredo. A mulher era velha, gorda, feia e exalava um cheiro estranho a plantas mal cozidas. Sentada num banco de três pés(…) a feiticeira ouviu, ouviu muito calada. Mastigava um pauzinho e sorria absorta.
imagem retirada da internet

- Este caso resolve-se bem se souberes escolher o momento certo e dar-lhe uma beberagem feita com ervas que te indicarei e hão-de ser colhidas pelas tuas próprias mãos numa noite de lua cheia…(…) Um ano depois deu à luz um filho, quebrou-se o enguiço e vieram mais cinco rapagões.(…)”
____________________________
Observações:
In: Magalhães, Isabel, Lendas e Segredos das Aldeias Históricas de Portugal, Comissão de Coordenação Centro, Editorial Caminho, S.A. Lisboa, Março de 2002.
publicado por aldeiashistoricasdeportugal às 18:46

Suzana, eu ADORO história, especialmente aquelas que tem a ver com a cultura de um povo. Amei ler tudo que escreveu. Porque me fez lembrar de meu pai que era portugues. Familia de Braga e Guimaraes.
Acha que poderia descobrir algo para mim?!
Caso sim, fale lá no diHITT.
Beijocas.
Sissym a 26 de Maio de 2009 às 03:57

Bons momentos da nossa história,
parabéns
Valentim Coelho a 28 de Maio de 2009 às 20:54

Obrigada, uma vez mais, Susana, pelo teu interesse e carinho por Almeida, desta vez sob a forma de divulgação da lenda que evocas neste blogue, magnificamente ilustrada.

Beijinho,

Clarinda Moreira
Maria Clarinda Moreira a 29 de Maio de 2009 às 22:43

Susana venho retribuir a sua visita e comentário ao blog "terras de tavares", que podem aceder através deste endereço:
www.terrasdetavares.blogspot.com

Os meus parabens pelos seus blogs, que nos fazem viver outros tempos das nossas aldeias e vilas históricas de Portugal. Em relação ao concurso, vou tentar participar, obrigado pelo convite.

Cumprimentos.
joão oliveira a 31 de Maio de 2009 às 10:23

無料カウンター
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Feira Medieval Castelo Mendo 2009
Feira Medieval Monsanto 2009
Marialva
Sortelha
Almeida
Castelo Rodrigo
Castelo Mendo
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO
blogs SAPO